Idioma

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

Pesquisar no blog

Carregando...

Informações do site

Aviso!!! Site abandonado desde 16/11/2011, algumas postagem podem não funcionar

Oi galera vcs estão no invasores (dicas hackers)
Aqui vcs podem aprender a fazer o que quiser , só peço colaboração,comentem o que vcs souberem e os downloads que acharem PRINCIPALMENTE AS DUVIDAS .VLW.

Para fazer doações clique no pagseguro no lado direito da página.
Ainda não tem cadastro no pagseguro então cadastre-se agora mesmo clicando aqui

Acessem nossa comunidade:Invasores (Dicas Hackers)

EM BREVE COM DOMÍNIO PRÓPRIO (.com)

Contato:
Retirado contato

terça-feira, 27 de setembro de 2011

A história do Linux


O nome Linux surgiu da mistura de Linus + Unix. Linus é o nome do criador do Linux, Linus Torvalds. E Unix, é o nome de um sistema operacional de grande porte, no qual contaremos sua história agora, para que você entenda melhor a do Linux.
A origem do Unix tem ligação com o sistema operacional Multics, projetado na década de 1960. Esse projeto era realizado pelo Massachusets Institute of Technology (MIT), pela General Eletric (GE) e pelos laboratórios Bell (Bell Labs) e American Telephone na Telegraph (AT&T). A intenção era de que o Multics tivesse características de tempo compartilhado (vários usuários compartilhando os recursos de um único computador), sendo assim o sistema mais arrojado da época. Em 1969, já existia uma versão do Multics rodando num computador GE645.
Ken Thompsom era um pesquisador do Multics e trabalhava na Bell Labs. No entanto, a empresa se retirou do projeto tempos depois, mas ele continuou seus estudos no sistema. Desde então, sua idéia não era continuar no Multics original e sim criar algo menor, mas que conservasse as idéias básicas do sistema. A partir daí, começa a saga do sistema Unix. Brian Kernighan, também pesquisador da Bell Labs, foi quem deu esse nome.
Em 1973, outro pesquisador da Bell Labs, Dennis Ritchie, rescreveu todo o sistema Unix numa linguagem de alto nível, chamada C, desenvolvida por ele mesmo. Por causa disso, o sistema passou a ter grande aceitação por usuários externos à Bell Labs.
Entre 1977 e 1981, a AT&T, alterou o Unix, fazendo algumas mudanças particulares e lançou o System III. Em 1983, após mais uma série de modificações, foi lançado o conhecido Unix System IV, que passou a ser vendido. Até hoje esse sistema é usado no mercado, tornando-se o padrão internacional do Unix. Esse sistema é comercializado por empresas como IBM, HP, Sun, etc. O Unix, é um sistema operacional muito caro e é usado em computadores poderosos (como mainframes) por diversas multinacionais.

LILO


Introdução
LILO é a sigla de LInux LOade. Trata-se de um programa que permite o uso de dois ou mais sistemas operacionais no mesmo computador. A ferramenta possui uma série de instruções para gerenciar o setor de boot (inicialização) do HD, permitindo que se inicialize o computador a partir de uma partição que não seja a primeira do disco.

Linux em casa x Linux nas empresas


Até mesmo quem nunca mexeu no Linux sabe que esse sistema operacional ganha novos usuários a cada dia. Quem acompanha as notícias com mais freqüência sabe que a maioria desses novos usuários são empresas. O número de companhias que estão adotando o Linux é cada vez maior. Mas, se por esse lado o Linux alcança esse sucesso, por outro, o lado dos usuários domésticos, o mesmo não acontece. Não, isso não significa que o número de usuários "caseiros" não cresce. Isso acontece sim, mas numa proporção menor se comparado ao crescimento do Linux nas empresas. Por que será que existe essa diferença?

Editor vi


Introdução
"vi" é a sigla para "Visual Interface". A origem desse nome se deve ao seguinte fato: quando o vi foi criado (começo da década de 80), não era comum existirem editores de textos como nos dias de hoje. Naquela época, você digitava um texto mas não podia vê-lo! Isso mesmo! Em 1992, foi criado o vim (Vi IMitator), um clone fiel ao vi, porém com muitas outras funcionaliades, que só foram sendo adicionadas. Algum tempo depois, o vim passou a ser chamado de `Vi IMproved' (vi melhorado).
O vim é um dos editores de textos mais utilizados no mundo Unix. Em alguns sistemas, existe um link simbólico (/bin/vi) apontando para o /usr/vim. Em outros, o /bin/vi é o executável, só que executa diretamente o vim. Muita gente acha que usa vi, mas na verdade utiliza o vim, e eles têm algumas diferenças. O que você verá abaixo fala sobre o vim.
O vim é um editor de textos muito poderoso, ele pode: abrir vários arquivos ao mesmo tempo, possui sistema de autocorreção, auto-identação, seleção visual, macros, seleção vertical de texto, uso de expressões regulares, sintaxe colorida, e muito mais. Ele não é exclusivo do Unix, ou seja, pode ser executado em outras plataformas, como Amiga, MacOS, Sun, Windows entre outras.
Existe também o gvim, que é o vim em modo gráfico, com todas as funcionalidades do vim em pleno funcionamento, o que muda é apenas o modo gráfico mesmo.
O vim possui vários modos, ou seja, estados em que ele se encontra. São eles: modo de inserção, comandos, linha de comando, visual, busca e reposição. Abordarei os dois principais:

Sistema de arquivos ext3


Introdução
Usuários experientes de Linux sabem que o sistema possui excelente performance no gerenciamento de dados, tanto no que diz respeito ao armazenamento, quanto nas alocações e atualizações de informações. Dentre vários, um dos grandes responsáveis por tanta eficiência é o sistema de arquivo (ou filesystemext3 (sigla para third extended file system), que passou a ser integrado definitivamente ao Linux (kernel) a partir da versão 2.4. Este artigo mostrará as características mais importantes do ext3, além das razões de sua alta performance.

Montando partições e discos no Linux


Introdução
O uso do GNU/Linux (aqui chamado somente de Linux) cresce a cada dia. Muitos usuários, ao visitarem sites sobre o sistema operacional ou ao ouvirem o relato de colegas que já usam o Linux, sentem-se incentivados a experimentarem o sistema. A grande maioria já tem o sistema operacional Windows instalado e decide compartilhar o computador também com o Linux. Mas quase sempre, o usuário necessita acessar arquivos presentes na partição do Windows. Isso é perfeitamente possível, através de um processo conhecido comomontagem da partição. Algumas distribuições Linux montam as partições Windows automaticamente, mas em outras, é necessário que o usuário faça isso manualmente. Esse processo é simples e será explicado aqui. Os procedimentos a seguir devem ser executados como usuário root ou outro que tenha permissões de administrador.

FreeBSD, OpenBSD e NetBSD: características de cada um


Introdução
O objetivo deste artigo é mostrar as características dos sistemas operacionais FreeBSD, OpenBSD e NetBSD, de forma que seja possível saber a diferença entre eles e qual o mais indicado para determinadas aplicações. Esta é uma dúvida muito comum aos que desejam utilizar um sistema operacional BSD, mas não sabem qual escolher. É muito importante que se saiba o que é e como surgiu o BSD. Por isso, este tópico será visto primeiro. Em seguida, serão mostradas as características de cada sistema BSD e no que estes diferem.

Afinal, qual o melhor Linux para um iniciante?


Introdução
Em sites, listas de discussão e fóruns sobre GNU/Linux (aqui chamado apenas de Linux) e Software Livre, uma das dúvidas mais freqüentes é "qual o melhor Linux pra mim?" e ainda há as variações dessa pergunta: "qual o melhor Linux?", "que Linux eu instalo?", "qual distribuição vocês indicam para um iniciante?", e assim vai. Este artigo foi escrito com a intenção de ajudar a esclarecer esse tipo de dúvida. Se você ainda não usa Linux, mas quer experimentá-lo e não sabe como, provavelmente este texto lhe será útil.

Usando cron e crontab para agendar tarefas


Introdução

Suponha que você seja dono de um serviço de hospedagem de sites e diariamente precisa disponibilizar, numa pasta acessível por FTP, o arquivo de log de acessos de um cliente. É trabalhoso fazer isso manualmente e na pior das hipóteses, você pode esquecer. Felizmente, o Linux conta com o serviço cron, que permite a realização de tarefas programadas em dias e horários determinados por você. O objetivo deste artigo é mostrar como fazer isso.